O Prefácio n° 1 - A primeira postagem

Quando me propus a escrever o que penso sobre determinadas questões voltadas principalmente à ciência, no que diz respeito ao conhecimento e a forma de percepção das coisas que existem, descobri que pensar e escrever são duas coisas que exigem técnicas um tanto distintas. Alguns dizem que escrever é uma arte, diante disso, posso presumir que escrever é uma prática artística que requer muitos critérios, ou melhor, escrever é trafegar pelas vias formais e normativas da língua.

O que percebi quando comecei escrever alguns textos é que, escrever é uma coisa difícil de fazer, por que como eu já citei, é necessário que existam dotes artísticos no escritor e ainda, que ele seja um bom piloto de idéias. Usando essas duas analogias, não estou ostentando em mim essas qualidades artísticas e o caráter de um bom piloto, estou justificando é a minha considerável habilidade enferrujada dos tempos remotos de desenhar mangás e caricaturas; e ainda que a minha habilidade com a direção de veículos ainda está sendo aperfeiçoada, corroborando com o fato de que ainda não possuo licença para trafegar livremente com veículos automotores pelas vias urbanas. Assim como existem vários paradigmas que nos orientam e determinam a vias normativas para o desenvolvimento de textos, o pensamento também possui seus caminhos de encontros e desencontros, e são esses os caminhos adotados que podem fazer muita diferença na formação intelectual de um indivíduo que se ocupa na prática do pensamento. Pensar também é uma arte.

Acredito que o pensamento só tem sentido quando ele é holístico, pois um pensamento isolado em si mesmo nada diz e nada significa. Vejo o pensamento como o resultado de uma soma entre duas variáveis, a variável daquilo que somos e a variável daquilo que vemos. Mediante essa soma, pensamos nas coisas, ou na coisa, mas sempre a coisa objeto pensada está isolada apenas no momento em que está sendo perscrutada, mas na sua essência ela está interligada, e isolada, perde seu sentido - é o que a escola da psicologia gestaltica demonstra com mais detalhes e definições. As duas variáveis que resultam no pensamento também são dependentes de diversas outras variáveis, e o resultado desse efeito cascata de dependências me diz que, pensar e formalizar conceitos, é uma tarefa bastante difícil, alem de me fazer perceber que o fundamento dessa idéia é o mesmo do cálculo de derivadas parciais, e reconhecendo isso eu estou de ante mão me justificando diante de futuras oposições em relação à essência de algum pensamento, ou em relação às manobras barbeirísticas de um condutor desajeitado e ainda em aperfeiçoamento em relação à escrita.

“Idéias são a prova de bala” - mas as idéias são parturiadas no instante do intenso exercício do pensamento, da mesma forma como nascem as poesias segundo Drummond, que dizia que para se escrever uma poesia é preciso conviver com ela certo tempo. É com base na máquina incubadora do pensamento e no cuidado da convivência necessária para um aperfeiçoamento da mente, que é dada a luz uma idéia, que vem não simplesmente para fazer parte de um rol demonstrativo que rotula as facetas de uma personalidade, mas vem para fazer sua específica função, que antes de qualquer coisa é a de atingir, como um projétil bélico.

Talvez eu escreva muito mais com idéias do que com a escrita condicionada às normas do idioma, até por que o único objetivo é o já supracitado, atingir outras idéias que refletem em práticas e posicionamentos que os julgo equivocados, como o relativismo pós-moderno, o materialismo filosófico e a absolutividade pedante da ciência que tem por base única fundamental o naturalismo que se justifica no método científico, onde a intenção é somente usar o conhecimento como bode expiatório ante as calamidades neurais acometidas pelo homem pós-moderno. Essa forma de pensar pós-modernista, que é uma mazela, talvez seja o alvo principal, pois esse mecanismo de pensamento que condiciona a existência do ser humano as evidência empíricas é mórbido, e serve apenas para justificar a prática e o gozo produzido pela internalização de uma idéia que produz uma ação confortadora na consciência humana diante da possibilidade de uma prestação de contas transcendental a essa existência.

4 comentários:

  1. Parabéns pelo blog e farei minha considerações assim que editar ,meu texto sobre ciencia e crença.

  1. Diego, eu não sabia que vc tinha um blog! Que maravilha!!!

    Achei a primeira postagem fantástica. Adoro escritos que são reflexões poéticas, e o seu foi assim ao meu olhar.

    Bem-vindo ao mundo blogueiro!
    Grande abraço

  1. Se Prefácio ao Pensamento, porque não é pensamento, mas o que o antecede sem com isso iniciá-lo. Se é o que o antecede, pode mesmo ser qualquer coisa. Aliás, qualquer coisa é o que encontrará quem tiver a sorte (sorte?) de cair neste blog. Qqualquer coisa, exceto pensamento, é claro! Parabéns! O blog é uma prova de que há mesmo quem não tem o que fazer nesse mundo.

  1. Valeu pela participação Henrique.
    No mínimo vc é um ateuzinho intelectualóide revoltado com os "crentes"!


    Obrigado pela contribuição!
    rss